MENU

Polícia do Equador investiga assassinato de candidato e prende 6 colombianos suspeitos

A morte do ex-jornalista será investigada com o apoio do FBI, suspeitos fazem parte de grupo criminoso internacional
O ex-jornalista foi assassinado na última semana em Quito, no Equador. Crédito: Villavicencio

Seis pessoas foram presas na última quinta-feira (10) pelo assassinato do candidato à presidência do Equador, Fernando Villavicencio. Os suspeitos detidos são colombianos, segundo informa a polícia responsável pelo caso. 

Um dos agressores, que foi morto durante uma troca de tiros no local, também era da Colômbia. Além disso, todos os suspeitos pertencem a um grupo criminoso internacional, disseram autoridades equatorianas. 

A morte do ex-jornalista será investigada com o apoio do FBI. O presidente Guillermo Lasso atribuiu o atentado ao crime organizado e prometeu justiça. 

Análise

O assassinato de Fernando Villavicencio representa um momento inédito na história do país, avalia Maria Villarreal, professora de Relações Internacionais da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e do programa de pós-graduação da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio).

“O Equador, até 2017, era considerado o segundo país mais seguro da América Latina. Essa onda de violência que o país está experimentando é relativamente recente e muito grave. O assassinato do candidato ocorreu num contexto de crescente violência política. Só para se ter uma ideia, nesse último ano, quatro candidatos de governos locais foram assassinados e vários sofreram atentados. São candidatos de diversas tendências políticas”, disse a professora em entrevista à Agência Brasil.

Após o assassinato, o presidente do Equador, o conservador Guillermo Lasso, decretou estado de emergência no país durante 60 dias. Foram ainda decretados três dias de luto nacional. O governo do Equador alterou, nesta quinta-feira (10), o decreto com que instituiu estado de exceção em todo o país devido ao assassinato.

Em um novo decreto presidencial (nº 843), o chefe do Poder Executivo equatoriano, Guilhermo Lasso, eliminou dois artigos do Decreto nº 841, reestabelecendo a plena liberdade dos equatorianos à reunião. A medida, segundo o governo, é necessária para garantir as atividades necessárias à realização do primeiro turno das eleições presidenciais, previsto para ocorrer no próximo dia 20.

48
Compartilhe:
Mercado
Clima/Tempo
Mais Lidas
Governo do Ceará combate a insegurança alimentar no Estado com o Programa Ceará Sem Fome
Ceará Credi transforma pessoas e a economia por meio de incentivo a pequenos empreendedores
Mais de 1000 Cozinhas Ceará Sem Fome levam alimento diário a famílias em todo o Estado
A história que você não conhece: a ligação de uma cidade cearense à Independência do Brasil
Conheça as 8  fotos mais famosas do mundo e a história por trás de cada uma delas
Prefeitura de Fortaleza é a primeira do Norte e Nordeste no ranking de matrículas na Educação Inclusiva
Relíquias de Santa Teresinha poderão ser visitadas por Fortaleza a partir desta quinta (25)
Confira os horários das missas nas paróquias de Fortaleza durante a Semana Santa
Confira a programação de 13 de Maio, Dia de Nossa Senhora de Fátima, em Fortaleza, nesta segunda-feira
Nova série da Urbnews traz vidas transformadas por ações do Governo do Ceará

Notícias relacionadas:

foto site (54)
Carlo Acutis: quem foi o beato padroeiro da internet que poderá se tornar santo pelo Vaticano
Design sem nome (4)
Companhia aérea inaugura voos onde cães só viajam no banco e com serviço de bordo
Design sem nome (5)
Palco desaba em comício com candidato à presidência do México e deixa 9 mortos
Fotos-2-4
Procurador do Tribunal Internacional pede prisão de Netanyahu e líderes do Hamas
logo-urbnews-redondo