MENU

Déficit zero nas contas do Governo Federal depende de R$168 bilhões em receitas extras

Segundo a ministra Simone Tebet, o cumprimento dessa meta dependerá de medidas que aumentarão a receita do Governo, algumas em discussão no Congresso e na Justiça.
Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2024 foi apresentado nesta quinta-feira (31), pela ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad. (Foto: Diogo Zacarias/MF)

A ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, apresentaram, na tarde desta quinta-feira (31), o Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2024, que deve ser enviado ao Congresso Nacional até às 18h de hoje. 

O Orçamento de 2024 tem como uma de suas propostas mais ousadas a previsão de déficit zero nas contas do governo. Nesse cenário, as receitas primárias serão iguais às despesas primárias, o que pressupõe resultado zero nas contas do governo.

“A recomendação [da Receita] foi de fazer uma peça técnica, desafiadora e demandante. Herdamos um Orçamento com R$230 bilhões de déficit projetado. Não estamos negando o desafio, estamos afirmando nosso compromisso em obter o melhor resultado possível”, disse Haddad.

Segundo Simone Tebet, a meta de resultado zero é “audaciosa”, mas pode ser alcançada. A ministra, no entanto, admitiu que o cumprimento dessa meta dependerá de R$168 bilhões em receitas extras, das quais algumas estão em discussão no Congresso e na Justiça. 

Algo que pode ajudar no cumprimento do déficit zero é que o Senado, nesta quarta-feira (30), aprovou o projeto que reinstitui o voto de desempate do governo no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), órgão da Receita Federal que julga na esfera administrativa cobranças e multas do Fisco. O governo prevê arrecadar R$54 bilhões com o projeto, mas economistas calculam em apenas R$11 bilhões o impacto da medida.

Em relação a uma decisão do STJ que limitou, no fim de abril, a concessão de incentivos fiscais da União a estados, Tebet disse que o caso pode reforçar os cofres federais em R$52 bilhões, em projeções conservadoras. A medida depende de regulamentação do governo. Em contrapartida, a taxação de apostas esportivas deverá render menos de R$1 bilhão por ano ao governo federal.

“Hipoteticamente, se as principais medidas de receita não são aprovadas, é um outro momento a ser discutido. Se as principais medidas como [reformulação do] Carf ou mesmo a regulamentação da decisão do STJ [sobre subvenções] não forem aprovadas, óbvio que vamos ter que repensar a meta”, declarou a ministra.

56
Compartilhe:
Mercado
Clima/Tempo
Mais Lidas
Governo do Ceará combate a insegurança alimentar no Estado com o Programa Ceará Sem Fome
Ceará Credi transforma pessoas e a economia por meio de incentivo a pequenos empreendedores
Mais de 1000 Cozinhas Ceará Sem Fome levam alimento diário a famílias em todo o Estado
A história que você não conhece: a ligação de uma cidade cearense à Independência do Brasil
Prefeitura de Fortaleza é a primeira do Norte e Nordeste no ranking de matrículas na Educação Inclusiva
Conheça as 8  fotos mais famosas do mundo e a história por trás de cada uma delas
Relíquias de Santa Teresinha poderão ser visitadas por Fortaleza a partir desta quinta (25)
Confira os horários das missas nas paróquias de Fortaleza durante a Semana Santa
Confira a programação de 13 de Maio, Dia de Nossa Senhora de Fátima, em Fortaleza, nesta segunda-feira
Nova série da Urbnews traz vidas transformadas por ações do Governo do Ceará

Notícias relacionadas:

Design sem nome (18)_Easy-Resize.com
Cármen Lúcia assume TSE com desafio de pacificar relação com Senado
Andre-Figueiredo-1-1024x630
Presidente nacional do PDT sai em defesa de Sarto: "melhor prefeito do Brasil"
Design sem nome (22)_Easy-Resize.com
TRE-RS perde 500 urnas eletrônicas, tem depósito inacessível com 15 mil e não descarta adiar eleição
Fotos (2)
Bolsonaro publica vídeo após sair do hospital; político estava há 12 dias internado
logo-urbnews-redondo