MENU

Brasil pretende recuperar 25 milhões de hectares de vegetação ativa até 2030

De acordo com levantamento da MapBiomas, entre os anos de 2019 e 2022, o Brasil perdeu 9,6 milhões de hectares de vegetação nativa
O pouco reflorestamento entra em contraste com o crescente desmatamento de mata nativa no país (Foto: Symbiosis/Divulgação)

O dia 15 de abril é usado para celebrar o Dia de Conservação do Solo, porém, neste ano, o Brasil tem pouco a comemorar. Isso porque o país não atingiu as metas estabelecidas anteriormente para a recuperação de 12 milhões de hectares de vegetação nativa. De acordo com dados do Observatório da Restauração e do Reflorestamento, só 1% da meta foi atingida.

Essa porcentagem equivale a 79 mil hectares, um número muito abaixo do esperado e preocupante para os ambientalistas. O pouco reflorestamento entra em contraste com o crescente desmatamento de mata nativa no país. De acordo com levantamento da MapBiomas, entre os anos de 2019 e 2022, o Brasil perdeu 9,6 milhões de hectares devido a esta depredação.

Segundo a diretora do Departamento de Florestas do Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima (MMA), Fabíola Zerbini, esse cenário fez com que desde janeiro de 2023 o governo iniciasse uma revisão das metas e políticas públicas para o setor.

“O horizonte de passivo do Código Florestal – somando área privada e pública – está em torno de 25 milhões de hectares de vegetação nativa que precisa ser recuperada. A gente entende que desses 25 [milhões], aproximadamente nove podem ser compensados, ou seja, o produtor decide que vai proteger uma área que está conservada, e a gente vai recuperar algo em torno de 14 milhões, que é a meta atualizada, mas lembrando que a oficial é pelo menos 12 milhões de hectares,” diz Fabíola.

Para que as mudanças climáticas sejam controladas, ou ao menos reduzidas, é entendido que reduzir as emissões dos gases estufa na atmosfera é essencial. Por isso o reflorestamento é importante, pois as vegetações nativas capturam o que já foi lançado e devolve à atmosfera de maneira mais limpa.

No Brasil, há leis rígidas para a proteção das chamadas Áreas Verdes e também para o controle de recuperação das áreas afetadas pela espécie humana. Segundo Fabíola, o MMA tem se dedicado a entender qual o desafio que o país tem até 2030, prazo limite para cumprimento das metas. 

“Estamos trabalhando primeiro para atualizar os custos da restauração para os dias de hoje e fazer uma precificação por tipo de território: se são áreas privadas, áreas públicas, modelos de restauração e localizar cada situação nos biomas”, explica.

Com informações da Agência Brasil

26
Compartilhe:
Mercado
Clima/Tempo
Mais Lidas
Governo do Ceará combate a insegurança alimentar no Estado com o Programa Ceará Sem Fome
Ceará Credi transforma pessoas e a economia por meio de incentivo a pequenos empreendedores
Mais de 1000 Cozinhas Ceará Sem Fome levam alimento diário a famílias em todo o Estado
A história que você não conhece: a ligação de uma cidade cearense à Independência do Brasil
Conheça as 8  fotos mais famosas do mundo e a história por trás de cada uma delas
Prefeitura de Fortaleza é a primeira do Norte e Nordeste no ranking de matrículas na Educação Inclusiva
‘Evidências do Amor’, filme estrelado por Sandy e Fábio Porchat, tem ar de comédia romântica clássica
Relíquias de Santa Teresinha poderão ser visitadas por Fortaleza a partir desta quinta (25)
Confira a programação de 13 de Maio, Dia de Nossa Senhora de Fátima, em Fortaleza, nesta segunda-feira
Confira os horários das missas nas paróquias de Fortaleza durante a Semana Santa

Notícias relacionadas:

NOTICIAS-12 (1)
Brasil
Microexplosão atinge município no interior do Rio Grande do Sul
image (54)
Brasil
Coqueluche: saiba mais sobre a doença que voltou a preocupar o mundo
image (53) (1)
Brasil
Corpo de cão Joca é cremado em São Paulo após 2 meses da sua morte em voo da Gol 
NOTICIAS-6 (14)
Brasil
Rio Grande do Sul anuncia fim da colheita de arroz e diz que não há motivo para importação
logo-urbnews-redondo