MENU

Em protesto contra Ferrogrão, indígena esfrega urucum em participantes de evento do governo

O ato ocorreu nesta terça-feira (7), primeiro dia de um evento promovido pelo Ministério dos Transportes em Santarém
Conforme a postagem, o gesto de passar a tinta de urucum no rosto de participantes não indígenas do evento, de forma incisiva, foi um manifesto de "oposição veemente" à ferrovia (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Indígenas do baixo rio Tapajós, no oeste do Pará, fizeram um protesto contra o projeto da Ferrogrão, ferrovia encampada pelo governo Lula (PT) e com estudos e projetos incluídos no Novo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), que é tratado como vitrine da atual gestão.

No protesto, um indígena kumaruara esfregou tinta de urucum no rosto de seis homens e uma mulher que estavam sentados na primeira fileira de um auditório da Ufopa (Universidade Federal do Oeste do Pará), em Santarém (PA). Um deles se levantou irritado com o gesto.

O ato ocorreu nesta terça-feira (7), primeiro dia de um evento promovido pelo Ministério dos Transportes em Santarém. O evento é um “seminário técnico sobre viabilidade dos aspectos socioambientais da ferrovia EF-170 (Ferrogrão)”, como divulgou a pasta.

Entre os objetivos do seminário, estão discussões sobre impactos da ferrovia e sobre o direito a consulta livre a comunidades tradicionais atingidas pelo empreendimento.

O vídeo foi postado nas redes sociais de indígenas kumaruaras e do Conselho Indígena do Território Kumaruara.

Conforme a postagem, o gesto de passar a tinta de urucum no rosto de participantes não indígenas do evento, de forma incisiva, foi um manifesto de “oposição veemente” à ferrovia, considerada um “plano de extermínio”. O indígena que espalhou o urucum foi Naldinho Kumaruara, liderança espiritual da aldeia Muruary, ainda segundo a postagem em rede social do conselho do território.

Entre as pessoas que são alvos diretos do protesto está o representante de associação de terminais portuários da região amazônica. 

A Ferrogrão é um projeto que corta pontos sensíveis da amazônia, num percurso de quase 1.000 km. A obra é um pleito de grandes empresas do agronegócio e é defendida pelo governo Lula.

A ferrovia conectaria Sinop (MT), região de forte produção de grãos, especialmente soja e milho, ao porto de Miritituba (PA), no rio Tapajós. Indígenas do baixo rio Tapajós dizem não ter sido convidados formalmente para o seminário promovido pelo Ministério dos Transportes.

“O ato foi uma forma de demarcar a presença, força e resistência dos povos que vivem na região e são afetados pelo crescimento da soja, bem como pelo envenenamento dos rios e solos pelos agrotóxicos, grilagem de terras e projetos de escoamento dos grãos, como a Ferrogrão”, disse o Conselho Indígena Tapajós e Arapiuns, em nota.

“Rostos de representantes de organizações defensoras da Ferrogrão foram pintados com urucum, símbolo de ancestralidade”, afirmou o conselho. “O projeto irá impactar diversos territórios indígenas, dentre eles territórios que aguardam demarcação.”

Na sequência do protesto com a tinta do urucum, que foi entremeado com um cântico indígena, uma liderança do povo arapium fez uma fala crítica à ferrovia.

“Aqui [no baixo rio Tapajós] temos 14 povos indígenas. Estamos aqui, não é vergonha para nós, é vergonha para o governo quando traz um seminário desse para dentro do nosso território, para discutir um projeto de morte. Eles não têm interesse em nos ouvir”, disse Auricélia Arapiun, ex-coordenadora do Conselho Indígena Tapajós e Arapiuns.

Em março, representantes dos povos kumaruara, munduruku, kayapó, panará, apiaká, tupinambá e xavante, além de quilombolas, agricultores familiares, assentados e movimentos sociais das regiões dos rios Tapajós e Xingu, fizeram o que foi chamado de tribunal popular, com julgamento de “violações e seus cúmplices” relacionados à Ferrogrão.

Segundo o documento produzido, a ferrovia provocará desmatamento, encolhimento de unidade de conservação e impactos profundos ao modo de vida das pessoas em pelo menos 16 terras indígenas e 104 assentamentos rurais. O projeto deveria ser cancelado de forma definitiva pelo governo Lula, conforme o documento aprovado.

Para o ministro dos Transportes, Renan Filho, a Ferrogrão é um investimento arrojado e vai seguir adiante se contornados os impasses jurídicos. A ferrovia, conforme a defesa feita pelo ministro, garantiria eficiência no transporte de cargas, especialmente grãos, no Brasil central.

Matéria do Vinicius Sassine, da Folhapress

35
Compartilhe:
Mercado
Clima/Tempo
Mais Lidas
Governo do Ceará combate a insegurança alimentar no Estado com o Programa Ceará Sem Fome
Ceará Credi transforma pessoas e a economia por meio de incentivo a pequenos empreendedores
Mais de 1000 Cozinhas Ceará Sem Fome levam alimento diário a famílias em todo o Estado
A história que você não conhece: a ligação de uma cidade cearense à Independência do Brasil
Prefeitura de Fortaleza é a primeira do Norte e Nordeste no ranking de matrículas na Educação Inclusiva
Conheça as 8  fotos mais famosas do mundo e a história por trás de cada uma delas
Relíquias de Santa Teresinha poderão ser visitadas por Fortaleza a partir desta quinta (25)
Confira os horários das missas nas paróquias de Fortaleza durante a Semana Santa
Confira a programação de 13 de Maio, Dia de Nossa Senhora de Fátima, em Fortaleza, nesta segunda-feira
Nova série da Urbnews traz vidas transformadas por ações do Governo do Ceará

Notícias relacionadas:

WhatsApp Image 2024-05-17 at 15.47.23
Enem acontece entre os dias 3 e 10 de novembro; confira dicas para se preparar para o exame 
Fotos (6)
Conheça a origem do Dia de Pentecostes, marco histórico para a Igreja Católica
foto site berg (27)
Lula sanciona cobrança do novo seguro DPVAT, mas veta multa por atraso no pagamento
ac5c5fd6-c8ca-4b4a-bb1d-bca090e92946 (1)
Quase 2 mil cidades brasileiras estão localizadas em áreas com risco de desastre ambiental
logo-urbnews-redondo