MENU

Senado adia votação e novas regras eleitorais não valerão para eleições de 2024

Aprovada na Câmara, a minirreforma eleitoral não será votada no Senado nesta semana, o que inviabiliza sua aplicação para as eleições de 2024.
Segundo o senador Marcelo Castro (MDB-PI), o Senado preferiu se dedicar com mais profundidade ao Código Eleitoral, sob sua relatoria. (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)

A chamada minirreforma eleitoral, em debate no Senado após ser aprovada pelos deputados federais, não deve entrar em vigor tão cedo. A proposta simplifica a prestação de contas, prevê transporte gratuito no dia da votação, libera doação via PIX, legalização das candidaturas coletivas, entre outros pontos. 

Para valer nas eleições municipais de 2024, as novas regras precisavam ser aprovadas até 6 de outubro, o que não deve ocorrer segundo o senador Marcelo Castro (MDB-PI), apontado como futuro relator da proposta pelo presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

“A minirreforma eleitoral não será votada pelo Senado nesta semana, o que inviabiliza sua aplicação para as eleições de 2024. O Senado preferiu se dedicar com mais profundidade ao Código Eleitoral, já sob minha relatoria, e fazer uma reforma eleitoral mais ampla e consistente”, escreveu Castro nas redes sociais.

O senador se refere ao PLP 112/2021, um projeto de lei complementar que teve origem na Câmara dos Deputados, onde foi aprovado em setembro de 2021. A proposta é considerada como um novo Código Eleitoral, pois busca consolidar toda a legislação eleitoral e as resoluções do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). 

Uma das medidas é a quarentena de quatro anos antes das eleições para certas categorias, como juízes e policiais. Para fins de distribuição de recursos do Fundo Partidário e do Fundo Eleitoral, o texto prevê a contagem em dobro de votos em mulheres ou em pretos. 

Assim como a minirreforma descartada, a proposta também regulamenta as chamadas candidaturas coletivas para os cargos de deputado e de vereador. Esse tipo de candidatura caracteriza-se pelas tomadas de decisão em grupo, como se fosse uma espécie de “mandato coletivo”.

O novo Código regulamenta também questões como prestação de contas, crimes eleitorais, doações, limites de gastos, campanha partidária e pesquisas eleitorais.

Com informações da Agência Senado.

Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

11
Compartilhe:
Mercado
Clima/Tempo
Mais Lidas
Governo do Ceará combate a insegurança alimentar no Estado com o Programa Ceará Sem Fome
Ceará Credi transforma pessoas e a economia por meio de incentivo a pequenos empreendedores
Mais de 1000 Cozinhas Ceará Sem Fome levam alimento diário a famílias em todo o Estado
A história que você não conhece: a ligação de uma cidade cearense à Independência do Brasil
Conheça as 8  fotos mais famosas do mundo e a história por trás de cada uma delas
Prefeitura de Fortaleza é a primeira do Norte e Nordeste no ranking de matrículas na Educação Inclusiva
Relíquias de Santa Teresinha poderão ser visitadas por Fortaleza a partir desta quinta (25)
Confira a programação de 13 de Maio, Dia de Nossa Senhora de Fátima, em Fortaleza, nesta segunda-feira
Confira os horários das missas nas paróquias de Fortaleza durante a Semana Santa
Nova série da Urbnews traz vidas transformadas por ações do Governo do Ceará

Notícias relacionadas:

Modelo ajuste foto (19)
Moraes diz em despedida do TSE que atuou para romper cultura de impunidade das redes sociais
Alexandre de Moraes
Julgamento de fraude à cota de gênero em Granjeiro (CE) marca despedida de Alexandre de Moraes do TSE
Modelo ajuste foto (18)
Deputado usa bonecos para simular aborto em sessão do Congresso
Deputados em sessão do Plenário
Congresso mantém veto de Bolsonaro sobre crime de fake news em massa
logo-urbnews-redondo