MENU

20 anos da morte de Rachel de Queiroz: o legado da cearense na literatura brasileira

Autora de um dos principais romances da literatura brasileira, “O Quinze”, seria um divisor de águas na carreira da jovem escritora que se aventurara no terreno dos grandes escritores brasileiros
Rachel deixou um legado que perdura até hoje nas memórias das novas gerações. Seu primeiro romance, "O Quinze", publicado em 1930, quando a jovem autora estava com 20 anos, é uma das suas principais vitrines no terreno dos escritores. Foto: Acervo Instituto Moreira Salles

Neste sábado (4), faz duas décadas que uma das escritoras mais primorosas nos deixou: Rachel de Queiroz. Tendo sido a primeira mulher a ocupar uma cadeira na Academia Brasileira de Letras, a cearense foi também jornalista, tradutora e teatróloga. Rachel deixou um legado que perdura até hoje nas memórias das novas gerações. Seu primeiro romance, “O Quinze”, publicado em 1930, quando a jovem autora estava com 20 anos, é uma das suas principais vitrines no terreno dos escritores.

Retratando a perversa seca que assolou o Ceará em 1915, o romance gira em torno de trabalhadores da região de Logradouros e de Quixadá, no sertão cearense, para a capital, Fortaleza, onde esperava encontrar meios para sobreviver. Em paralelo, narra a história do amor impossível entre a professora “Conceição” e o proprietário rural “Vicente”. 

A obra a consagrou no ramo da escrita, tendo sido agraciada com o prêmio “da Fundação Graça Aranha.” “Além do prêmio da Fundação Graça Aranha, a escritora também ganhou diversos outros prêmios, como o Prêmio Jabuti de Literatura Infantil, em 1970, e o Prêmio Camões, a maior honraria dada a escritores de língua portuguesa, em 1993.”

Raquel também enveredou pelo caminho do jornalismo. Suas primeiras conexões foram na sua terra natal, no Ceará, quando escrevia para o jornal “O Ceará” e colaborava também para o jornal “O Povo”. 

Em 1939, quando mudou-se para o Rio de Janeiro, colaborou com o “Diário de Notícias”, “O Jornal” e a revista “O Cruzeiro”, quando publicou o romance “O Galo de Ouro” em folhetins, em quarenta edições.

A partir de 1988 colaborou semanalmente para “O Estado de São Paulo” e para o “Diário de Pernambuco”. Rachel de Queiroz escreveu mais de duas mil crônicas, que foram reunidas e publicadas em diversos livros.

Raquel foi ainda tradutora e teatróloga. Escreveu diversas peças de teatro, entre elas “Lampião” (1953) e “A beata Maria do Egito (1958)”, que recebeu o prêmio de teatro do Instituto Nacional do livro. 

Ela traduziu para o português mais de quarenta obras. Foi membro do Conselho Estadual de Cultura do Ceará. Participou da 21.ª Sessão da Assembleia Geral da ONU, em 1966, onde serviu como delegada do Brasil, trabalhando especialmente na Comissão dos Direitos do Homem.

Rachel de Queiroz morreu em 4 de novembro de 2003, aos 92 anos, no Rio de Janeiro, vítima de um ataque cardíaco. 

Trajetória política

Ainda em 1931, Rachel conheceu os integrantes do Partido Comunista Brasileiro e, ao retornar para Fortaleza, participou da implantação do partido no Nordeste. “Em 1937, foi presa pelo governo de Getúlio Vargas acusada de ser comunista. A autora permaneceu presa por dois anos. Décadas depois, Rachel de Queiroz, em 1964, apoiou a ditadura militar brasileira, integrando o Conselho Federal de Cultura e o Diretório Nacional da Arena, partido político de sustentação do regime.”

Premiações

Entre as principais premiações recebidas por Rachel de Queiroz estão:

Prêmio Machado de Assis (1957) pelo conjunto de sua obra

Prêmio Nacional de Literatura de Brasília (1980) pelo conjunto de obra

Título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal do Ceará (1981)

Medalha Rio Branco, do Itamarati (1985)

Prêmio Luís de Camões (1993), sendo a primeira mulher a receber essa honraria

Título de Doutor Honoris Causa, pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (2000).

Obras de Rachel de Queiroz

O Quinze, 1930

João Miguel, 1932

Caminho de Pedras, 1937

As Três Marias, 1939

A Donzela e a Moura Torta, 1948

O Galo de Ouro, 1950

Lampião, 1953

A Beata Maria do Egito, 1958

Cem Crônicas escolhidas, 1958

O Brasileiro Perplexo, 1964

O Caçador de Tatu, 1967

O Menino Mágico, 1969

Dora, Doralina, 1975

As Menininhas e Outras Crônicas, 1976

O Jogador de Sinuca e Mais Historinhas, 1980

Cafute e Pena-de-Prata, 1986

Memorial de Maria Moura, 1992

Cenas Brasileiras, 1995

Nosso Ceará, 1997

Tantos Anos, 1998

Memórias de Menina, 2003

Pedra Encantada, 2011

26
Compartilhe:
Mercado
Clima/Tempo
Mais Lidas
Governo do Ceará combate a insegurança alimentar no Estado com o Programa Ceará Sem Fome
Ceará Credi transforma pessoas e a economia por meio de incentivo a pequenos empreendedores
Mais de 1000 Cozinhas Ceará Sem Fome levam alimento diário a famílias em todo o Estado
A história que você não conhece: a ligação de uma cidade cearense à Independência do Brasil
Prefeitura de Fortaleza é a primeira do Norte e Nordeste no ranking de matrículas na Educação Inclusiva
Conheça as 8  fotos mais famosas do mundo e a história por trás de cada uma delas
Relíquias de Santa Teresinha poderão ser visitadas por Fortaleza a partir desta quinta (25)
Confira os horários das missas nas paróquias de Fortaleza durante a Semana Santa
Confira a programação de 13 de Maio, Dia de Nossa Senhora de Fátima, em Fortaleza, nesta segunda-feira
Nova série da Urbnews traz vidas transformadas por ações do Governo do Ceará

Notícias relacionadas:

foto site berg (22)
'Renascer' bate recorde na Globo e vira a novela das nove de maior sucesso comercial da história
foto site (23)
Filho de Zé Vaqueiro retorna à UTI um dia após primeira alta desde o nascimento
Design sem nome (21)_Easy-Resize.com
Música pro fim de semana: Billie Eilish lança ‘Hit Me Hard And Soft’, seu terceiro álbum
foto site (21)
Com 'Limite Zero' e 'Baile de Preto', veja programação do fim de semana em Fortaleza
logo-urbnews-redondo